Instalando o Bacula no Fedora

Logo Fedora

Instalar o Bacula no Fedora é uma delícia, principalmente poque o “yum”, instalador de aplicativos, já deve ter todos os pacotes que você vai precisar.

Instalando o Banco de Dados

Primeiramente, é necessário instalar um dos três Banco de Dados suportados pelo Bacula (Postgresql, Mysql ou SqLite). Todos eles, também deverão estar no repositório do “yum”.

MySql:

yum install mysql-server

Postgresql:

yum install postgresql-server

service postgresql initdb

service postgresql start

Sqlite

yum install sqlite

Configurando o Banco de Dados

Depois de instalado, provavelmente seu serviço de banco de dados já estará rodando. Caso não esteja, inicie seu “daemon” que deve ser encontrado em: /etc/init.d

No caso do postgres, é preciso alterar as permissões (no arquivo: /var/lib/pgsql/data/pg_hba.conf ) para que a máquina na qual você está instalando o serviço, acesse o Banco de Dados. Após qualquer alteração, é necessária o “restart” do “damon” do postgres. Altere as linhas para estas:

local      all                                          trust
host       all         127.0.0.1     255.255.255.255    trust

Instalando o Bacula

Com o banco de dados instalado e rodando, vamos agora instalar os pacotes .rpm do Bacula (caso não estejam no yum, podem Baixar do próprio site do Bacula: http://sourceforge.net/project/showfiles.php?group_id=50727).

Para Instalar o Cliente

Para instalar o cliente Bacula (ou “file daemon), basta o pacote “bacula-client”:

yum install bacula-client

Para Instalar o Servidor Bacula (dircetor, storage e client):

Você precisará de alguns pacotes. Há um pacote que varia de acordo com o tipo do Banco de Dados instalado – por exemplo: bacula-postgresql…

yum install bacula-postgresql

Provavelmente, ele deverá acompanhar dependências importantes, como o pacote mtx (ou bacula-mtx, necessário para a manipulação de dispositivos de fita).

Configurando o Bacula

Depois de instalado, pode ser que o instalador não consiga executar três scripts fundamentais que acompanham o bacula. o create_database (cria o banco de dados do Bacula), o grant_privileges (garante os privilégios do usuário bacula) e o make_tables (cria as tabelas no banco de dados). Se obtiver problemas em inicializar os daemons do Bacula, execute estes três scripts.

Configurando os Daemons

Os três daemons do Bacula são configurados através de três arquivos: bacula-fd.conf, bacula-sd.conf, bacula-dir.conf.

Para a averiguação de problemas na configuração, você deve inicializar os daemons nessa mesma seqüência, para verificar o “output” dos errors.

A configuração do Bacula é um tema extenso, possui uma série de variáveis e será tratado em outro artigo – aqui mesmo no www.bacula.com.br. Talvez, a melhor maneira de fazê-lo, seja executar o Bacula com a configuração padrão, e modificá-la gradativamente.

Disponível em: pt-brPortuguês

Deixe uma resposta

Fechar Menu